• Suporte Mamãe Bebê

10 dicas básicas e essenciais para mamães de primeira viagem!

Quanto mais a data do parto se aproxima, maiores são os medos e a ansiedade das mamães de primeira viagem. Elas planejam como será o parto, o que levar para a maternidade, como será o pós-parto e querem que tudo saia conforme o programado.

Depois que o bebê nasce, começa outra etapa: o sentimento de culpa e as constantes dúvidas sobre o que fazer quando o bebê não para de chorar, quando dorme demais e quando mama muito ou pouco.

Com tanta gente dando opinião, é comum que a insegurança aumente e que você faça comparações — deixando-a com a péssima sensação de que não está fazendo um bom trabalho.

Fique calma, tudo isso passa. Com algumas boas orientações, você se sentirá mais segura para cuidar do seu bebê. Para ajudá-la, preparamos uma lista com 10 dicas para mães de primeira viagem, do final da gestação até os primeiros meses do bebê, que facilitarão bastante a sua rotina.

Confira!


01. Faça um plano de parto

O parto é certamente o auge do início da maternidade, quando a espera chega ao fim. Um evento tão importante deve ser planejado pela gestante em conjunto com o seu obstetra para definir o tipo de parto— normal ou cesárea —, observando as condições de saúde do bebê e da mamãe.

O objetivo do plano de parto é traçar as diretrizes básicas do que a mulher deseja ter ou fazer durante o trabalho de parto, como:

  • se quer ou não analgesia, no caso de parto normal;

  • se deseja ouvir música;

  • quem será seu acompanhante — a lei 11.108 de 07 de abril de 2005, determina que toda grávida tem direito a um acompanhante da sua escolha durante todo o trabalho de parto;

  • se terá ou não uma doula;

  • a posição em que deseja dar a luz.


02. Visite as maternidades onde pretende ter o bebê

Mesmo que você já tenha uma ideia de onde seu bebê vai nascer, visitar a maternidade é uma boa ideia para preparar-se e reduzir a ansiedade.

Trace percursos diferentes para estimar o tempo que você leva para chegar ao local. Confira a infraestrutura disponível. Poucas maternidades fazem o parto na banheira, por exemplo, ou têm equipe que faça esse tipo de parto. Então, se você deseja ter um assim, precisará procurar um hospital que atenda suas expectativas.

É importante que você tire suas dúvidas sobre demanda de atendimento e qual é o protocolo caso não haja leito no momento em que você chegar — as salas de pré-parto podem comportar mais de uma gestante ao mesmo tempo e você precisa saber se fica confortável nessa situação.


03. Descanse nas últimas semanas antes da data do parto

Muitas mulheres têm dificuldades para dormir no final da gravidez, pois a barriga e a ansiedade estão grandes demais. Porém, ainda que você não consiga dormir bem, é importante que descanse o máximo possível nesse finalzinho.

Você precisará de muita energia para o parto e a primeira semana no bebê em casa é bastante cansativa. Serão muitas novidade e adaptações e, por isso, você precisa guardar alguma energia e estar preparada.


04. Economize para as vacinas

O Calendário Nacional de Vacinação cobre a maior parte das vacinas que o seu filho precisará tomar ao longo do primeiro ano de vida. Ainda assim, há algumas vacinas indicadas pela Sociedade Brasileira de Pediatria que são oferecidas apenas na rede privada, como a meningite B e a ACWY.

O preço de cada dose é relativamente alto e é bom ter uma economia para pagar por elas. Aliás, todo o planejamento financeiro é importante quando se espera um novo membro na família.


05. Aceite ajuda

Você acabou de passar por um parto — que é um evento de enorme importância e grande influência sobre o seu corpo — e tem um bebê que precisa de você todo o tempo.

Por isso, não se acanhe em pedir ajuda para sua mãe, seu parceiro, sua sogra, irmã, cunhada, melhor amiga e para quem mais estiver por perto para manter a casa limpa, a geladeira cheia e o seu corpo alimentado. Isso será importante para você, para o bebê e para o seu relacionamento.


06. Fique calma diante do choro do bebê

O choro é a única forma que o bebê conhece para se comunicar, é a única linguagem à qual ele tem acesso. Portanto, ele vai chorar bastante. É comum que a mãe de primeira viagem pense que a criança está com fome, cólica ou dor. No entanto, pode ser apenas tédio, insegurança e vontade de passear no seu colo.

O mundo é um lugar novo para o bebê e os estímulos podem estressá-lo. Ele sente falta do aconchego do útero e, em boa parte das vezes, basta que você o atenda para que ele se acalme.

Dar colo é importante para fortalecer o vínculo entre vocês. Além disso, o contato com a mãe e com outros adultos ajuda no desenvolvimento das potencialidades do cérebro da criança.


07. Coloque o bebê pra dormir aos primeiros sinais de sono

Parece um contrassenso, mas bebê cansado tem mais dificuldade para dormir. Quanto mais sono o pequeno tem, mais irritado fica e a briga pode ser longa e desgastante para vocês dois.

Assim, logo que bocejar, coçar os olhinhos e der os primeiros sinais de que quer dormir, coloque o bebê no berço e deixe que ele se renda ao soninho. Colocar uma música relaxante e reduzir a luz ambiente pode ajudar nessa tarefa.

Porém, é importante que durante as sonecas do dia o bebê não fique em um ambiente totalmente escuro, para que se acostume com o dia e a noite. Os barulhos da casa também devem ser mantidos, mesmo que você queira que ele durma um pouco mais. Se ele não treinar o relógio biológico, é possível que troque a noite pelo dia por mais tempo.


08. Durma sempre que puder

Essa é uma das principais dicas para mães de primeira viagem. Nos primeiros dois meses, o bebê mama com muita frequência, pois seu estômago é bem pequeno. Você precisa trocar muitas fraldas, dar banho, alimentar-se, tomar o seu próprio banho e ainda receber visitas, atender telefonemas e recados virtuais.

Enfim, a jornada é longa. Portanto, aproveite toda e qualquer oportunidade para tirar uma soneca e não se acanhe em recusar visitas. As pessoas entenderão seu argumento. Lembre-se: você precisa estar descansada e relaxada para atender às demandas do seu bebê da melhor maneira possível.


09. Aprenda técnicas para aliviar as cólicas do bebê

O choro de cólica deixa as mães de primeira viagem com o coração na mão. O bebê chora alto e bate as perninhas. Ver o pequenino com tanto sofrimento leva muitas mães também às lágrimas.

Fique calma e respire. Sua agitação não ajuda e ainda deixará o bebê mais inseguro. Pesquise e aprenda algumas técnicas para alívio das cólicas do bebê, elas são simples e reduzem as dores.

Infelizmente, as cólicas fazem parte do amadurecimento do sistema digestivo da criança e a maioria dos bebês e mamães terão que passar por elas.

Algumas técnicas que podem ajudar:

  • massagem shantala: pode ser feita desde os primeiros dias de vida;

  • banho de ofurô ou balde: a água morna acalma o bebê e o ambiente aconchegante faz com que ele se lembre do útero;

  • colocar o bebê de barriga para baixo;

  • fazer compressas com um pano aquecido ou bolsa de água quente: tenha cuidado com a temperatura e use sempre uma fralda de proteção, pois a pele do bebê é muito sensível.

10. Saia para passear

Não há motivos para ficar trancada em casa com o bebê durante todos os meses da licença-maternidade. Tão logo o pediatra libere o bebê para passear — o que geralmente acontece após o primeiro mês de vida — faça passeios curtos e aproveite a luz do sol do começo da manhã para garantir ao pequeno a dose necessária de vitamina D.

Ver outras pessoas e conversar com outras mães é importante para que você não se sinta tão solitária. Nos três primeiros meses é bom evitar locais com grandes aglomerados de pessoas, pois o pequeno ainda tem um sistema imunológico imaturo e pode pegar gripes e resfriados com mais facilidade.




Visite o site da Cabocla e veja tudo que você precisa para o enxoval e para o dia-a-dia do seu bebê: www.lojacabocla.com.br

© 2020, site desenvolvido para o Curso Mamãe & Bebê

logo_cabocla.png
logohospital.png